quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Happy Dream Day

Nem só de tristezas, mágoas e decepções se faz uma vida.
Também conquistamos sonhos.
Hoje eu conquistei um. Sou oficialmente uma aluna do mestrado. 
Finalmente eu consegui uma cadeira no programa para ser a melhor e conquistar os meus próximos sonhos.
Terei a oportunidade de explorar o meu potencial.
Sinto-me como alguém feliz. E estou cheia de expectativas.
Quando vi o meu nome naquela lista, um misto de alegria e emoção tomou conta de mim.
Todo o meu corpo vibrou e eu senti uma emoção que eu não sentia há muito tempo.
Finalmente, eu tomei uma decisão na minha vida. 
E o primeiro passo deu certo.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Life

Quem somos nós? O que somos? E por quê?
A angústia que nos envolve, de onde vem? Quantas vidas vivemos?
Infância feliz, encantada, Papai Noel, Clube, sucesso escolar, presentes, brincadeiras, pais amorzinho, irmãos da zuera, como tinha que ser.
Pré-adolescência problemática, crise matrimonial, traumas escondidos pra sempre, alienação parental, irmãos em crise, brigas, discussões, cirurgia, fragmentos de coisas que ninguém desejaria recordar.
Adolescência fortemente influenciada pela cultura pop e pelo amor verdadeiro. Sofrimento por garotos. Paixões avassaladoras. Crer que ou de verdade e que morreu se amor. Sofrer e realmente acreditar que o sofrimento amoroso não poderia ultrapassar aquelas dores.
Adolescência. Namoro. Namoro sério. Aliança. Promessa de amor eterno. Pedido de casamento. Noivado. Infidelidade. Imaturidade. Quase ingressar em um casamento falido antes de iniciar. Libertação. Revolta. Represália. Mágoa. Rompimento.
Juventude. Mentalidade de criança. Universidade. Falta de comprometimento. Frustração acadêmica. Desperdício de uma oportunidade da qual haverá o eterno arrependimento. Recomeço. Desejo de consertar tudo. Fracasso.
Juventude. Rebeldia. Ingresso em tantos absurdos e erros. Desejo de esquecer tudo. Desejo de parar com tudo. Continuar. Prosseguir. Dor. Dor. Sofrimento. Decepção. Desejo de morrer. Tristeza profunda. Afundar na própria dor. Depressão. É possível um adolescente / jovem sofrer de depressão dentro da casa dos pais sem ninguém desconfiar? Sim. É possível.
Encontrar alguém que se importa. Recomeçar a verbo sol. Ter esperança. Recomeçar. Amar. Viver. Sorrir. Castelo. Vestido sem noiva. Princesa. Príncipe. Neve. Amor. Alegria.

Vida adulta. Trabalho. Assédio moral. Racismo. Machismo. Transporte público. Dinheiro insuficiente. Doença. Falta de pessoas de confiança. Saber ser uma profissional foda e ao mesmo tempo estar sendo afundada e calada pelo assédio moral e pelo racismo. Começar a duvidar de si mesma.
Medo do retorno da depressão.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

1997

Quando você liga a playlist e bate a nostalgia!

Mil novecentos e noventa e sete, novembro, ainda me lembro, era fim de ano, eu não tinha nada e você um novo emprego, foi quando tudo aconteceu...
A vida era difícil, mas juntos tudo estava bem, algumas brigas claro, mas isso é tão normal quando se quer alguém como eu quis você.
Eu quis matar todos seus amigos falsos e fingidos que sorriam ao me ver. E encontrava companhia num copo de bebida, um cigarro ou outra droga qualquer já que eu não tinha mais você.
Reaprender o caminho pra casa não foi algo tão simples, nos primeiros dias eu me perdia nos meus passos sem você, Eu mal sabia o que fazer. De vez em quando a gente se encontrava nas escadas, eu tentava dizer algo, você sempre dava risada, tudo vai acabar bem.
Quase dez anos depois, eu consigo entender que eu tinha que continuar, fosse com ou sem você... Nem sei como cheguei aqui, mas saiba que eu estou feliz!! A sua falta quase me matou, hoje eu tenho tudo o que eu sempre quis.
Mil Novecentos e Noventa e Sete, ainda me lembro de tudo o que eu quero esquecer!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

pequeno desabafo


Antes de ingressar na FFLCH para fazer o meu curso de Letras, muita coisa me passou pela cabeça. Primeiro eu passei o ano inteiro do cursinho mudando de ideia a respeito de qual curso eu iria prestar. Bom, tecnicamente eu eliminei exatas e biológicas, então eu tinha todos os cursos de humanas pra mudar de ideia. Meu pai eliminou Música pra mim, então eu acabei eliminando Direito por ser o que ele queria.
Assim, em um ano eu me imaginei em tudo. Psicologia, Artes Cênicas, Relações Internacionais, Audiovisual... Acabei indo parar nas Letras.
O primeiro contato que tive com os veteranos, uma garota me disse que eu deveria estar pronta para ter a minha mente aberta e todos os meus conceitos pré definidos serem arrancados de dentro da minha cabeça. Todas as minhas crenças. Tudo em que eu acreditava seria moldado novamente. Claro que não acreditei, mas fiquei um tanto receosa.
Os seis anos em que eu estudei naquele lugar foram pavorosos. Eu não conseguia me dar bem no curso, me achava a pessoa mais burra do mundo. Fiz grandes amigas no primeiro ano e acabei ficando sem nenhuma no segundo, não sei bem o motivo. Só sei que no terceiro ano eu era a aluna mais triste e solitária daquele lugar. Consegui conservar bem as minhas crenças, talvez por isso tinha tanta gente afastada de mim.
Eu não gostava dos professores, não gostava das matérias, e achava tudo aquilo uma perda de tempo.
Concomitante com minha vida social, estava em cacos. Terminei um longo noivado, mudei de igreja, fiz novos amigos duvidosos... eu simplesmente estava perdida.
Para completar todo o caos dentro de mim, resolvi fazer Moda. Nunca tinha me imaginado nessa área em toda minha vida, mas foi o que fiz. Prestei e passei no curso técnico, e comecei a estudar. Fiz amigas, perdi amigas. O ciclo se perpetuava.
Apesar de estar curtindo muito, eu não me dava bem. Nem me encaixava. Acabei largando e fui fazer faculdade de moda. Durei um semestre, mas aquilo não era pra mim. Voltei pra Letras.
No ultimo ano consegui estabelecer amizades, o que foi muito bom. Mas só ali, no finalzinho do curso, que aconteceu.
Meus conceitos, minhas crenças. Tudo se tornou dúbio. E algumas coisas se tornaram certas - coisas que a maioria das pessoas não vê.
Hoje faço Direito e estou apaixonada pelo que faço. Gosto do curso, gosto da matéria, gosto da perspectiva do futuro. Vou muito bem nas aulas e consigo me relacionar bem.
Mas não consigo mais me achar dentro da igreja.
Parece que algo mudou aqui dentro.
Pior que no fim de tudo, eu me sinto muito mais lúcida.





 

terça-feira, 23 de setembro de 2014

:'(

Hoje eu quis brincar de ter ciúme de você, mas sem porquê meu coração me avisou que não, fingi na hora rir, talvez por aqui estar tão longe de você pra te dizer. Aquilo que eu temia aconteceu ou foi só ilusão, você manchou nós dois e desbotou a cor de um só coração ou anda sozinha, me esperando pra dizer coisas de amor... Pois eu, eu só penso em você, já não sei mais por que em ti eu consigo encontrar um caminho, um motivo, um lugar pra eu poder repousar meu amor. Quantas horas mais vão me bater até você chegar? Aqui meu lar deixou de ser aquilo que um dia eu construí e eu fico sozinho, esperando pra trazer você para mim. Sofro por saber que não sou eu quem vai te convencer que cada dia a mais é um a menos pro encontro acontecer e eu fico sozinho, esperando por você, meu bem-querer. Pois eu, eu só penso em você já não sei mais por que em ti eu consigo encontrar um caminho, um motivo, um lugar pra eu poder repousar meu amor.


sábado, 12 de julho de 2014

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Eu te amo pra sempre.

Quando nós começamos a namorar eu sabia que havia um grande segredo, que mudaria completamente a sua forma de me enxergar. Por isso eu postava constantemente que eu sabia que o nosso tempo seria curto. Eu acreditava que não havia como o nosso namoro durar por muito tempo, por isso eu sempre aproveitava o curto tempo que a gente tinha. Você era a pessoa mais incrível, doce e carinhosa que eu já havia conhecido, e eu era completamente apaixonada por você. Toda vez que eu te beijava ou abraçava, eu sabia o quanto eu te amava, e o quanto eu queria que a gente ficasse juntos. Mas, sabia que o nosso tempo era curto. Que um dia você iria embora e eu só teria as lembranças. E hoje, depois de quatro anos e um mês que estamos namorando sério, perto de quatro anos e dois meses do nosso primeiro beijo, eu me lembro disso e sorrio. Eu não te tinha por garantido, eu tinha você como uma esperança, alguém que me faria feliz por um tempo. Mas você descobriu todos os meus segredos, você me olhou por inteira, e então você me amou. E eu abri meu coração, te mostrei quem eu era, as minhas cicatrizes, fechei os olhos e esperei você ir embora. E, ao contrário do que eu já esperava, você me segurou com raiva e me disse que não iria embora. Não iria me deixar. Nunca. E agora estamos de casamento marcado. E agora eu acredito que você me ama, e eu sei que não iremos nos distanciar, pois o nosso amor é profundo, tem raízes, e é para sempre. Hoje eu sei que teremos filhos juntos, a Gabi (Bibiza) e o Yuri (socorr). Teremos a nossa casa com um quintal, um jardim, o Snoopy, um carro bonito, estudaremos juntos, seremos sempre o apoio um do outro. Uma violinista, guitarrista, junto com um baixista. Um skatista com uma patinadora (mais ou menos). Uma professora e futura advogada com um advogado (futuro primeiro). Você me completa, me ensina, me ajuda, me ama. E eu te amo. Então, obrigada por ficar. Por não ter me deixado, por não ter se assustado com os meus segredos. Por saber quem eu sou. E me amar. Eu te amo <3 span="">

quarta-feira, 2 de julho de 2014

We can be Heroes


I, I will be king!
And you, you will be queen.
Though nothing will drive them away.
We can beat them, just for one day.
We can be Heroes, just for one day.






segunda-feira, 28 de abril de 2014

Pra ver se aqui dentro eu desapareço...

Hoje eu acordei com uma vontade enorme de desaparecer. É como se todo o mundo tivesse desabado em minha cabeça. A descoberta mais terrível e que eu temi tanto se concretizou. E eu descobri que confiei e defendi tanto uma pessoa má e cruel que causou a morte de outra. E isso me corrói, e me destrói por dentro. Desde que eu fraquejei, desde que eu quase desisti, algo dentro de mim me dizia para lutar, para não deixar tudo ir pra lá. E eu lutei. Eu me esforcei o máximo que eu pude para me manter aonde eu deveria, e eu resolvi acreditar em alguém, que parecia ser verdadeiro, e apostei nessa pessoa a minha redenção. E então eu descubro que essa pessoa é muito pior do que tudo que já haviam me falado de mal sobre ela. Tudo bem. As pessoas erram - eu mesma já errei. A questão é que eu já não sei o que fazer da minha vida, agora que eu não posso mais acreditar nessa pessoa, eu não tenho mais aonde estar. Eu quero muito ser certa e fazer o certo, mas a pessoa em quem eu confiei não é quem eu pensei que era, e eu sinto que não posso mais estar nesse lugar. E eu não tenho mais nenhum lugar aonde ir. E eu estou perdida. E essa pessoa tão boa não merecia a morte, mas morreu. E eu não sei lidar.



"Lá fora eu alço voo livre e aqui dentro eu perco o sol, do alto vem trovão, vem raio, de dentro vem todo o mal. De um lado eu tenho as sete vidas, do outro eu morro toda vez e no começo eu sou bandida, no fim eu sou a mãe do rei, o meu pra sempre era tão certo e agora eterno é leite azedo... Ah... se eu fosse o tempo esperaria mais, mais, mais, pra ver se acontece o que eu prevejo no fim, a-ah... se eu fosse espaço eu soltaria mais a mim pra ver se aqui dentro eu desaborreço, pra ver se aqui dentro eu desapareço... Dos dedos vem o arranjo que eu fiz, dos lábios vem cebola e fel, em casa tem amor, tem pai, mãe, da rua vem um homem mal, de mim sai choro, voz, saudade, do outro eu roubo a ideia, o ideal... ah... se eu fosse o tempo esperaria mais, mais, mais, pra ver se acontece o que eu prevejo no fim, a-ah... se eu fosse espaço eu soltaria mais a mim pra ver se aqui dentro eu desaborreço, pra ver se aqui dentro eu desapareço..." Simonami - Leite Azedo